11/12/2008

A felicidade…






Sempre que amares,


Desejares, ou fores em alguém


Se apenas tu!


Sempre que vires diante dos teus olhos


A felicidade passando adornada em sorrisos;


Não a deixes escapar!


Agarra-a com todas as forças que tens…


Não a deixes escapar,


Pois ela dificilmente passará duas vezes...


Sempre que alguém que ames;


Estiver a chorar, ou num aperto de coração;


Abraça-a;


Diz que a adoras.


Que o teu mundo sem ela é incompleto;


Que nada faz sentido…


Deixa-a humedecer o teu ombro com as suas lágrimas;


Deixa-a lamentar, gritar bem alto,


Bem perto do teu ouvido;


Para que saiba que a ouves;


Para que saiba que faz parte do teu mundo…


Que és como um puzzle incompleto


Se ela desaparecer, e não mais estiver…


Diz-lhe as palavras que percorrem o teu coração


Transmite-lhe segurança;


Diz que o mundo não lhe fará mal


Pois sempre estarás presente…


Diz que junto ao candeeiro da cómoda,


Está uma pequena moldura;


E que lá está uma fotografia dela


E que sempre que adormeces;


Lá está ela sorrindo…


Esperando que sol volte para te bater na cara


E enquanto lentamente abres os olhos;


Lá está ela outra vez…


Dizendo um bom dia em forma de sorriso!


Sempre que amares alguém, mais que do fundo coração;


Afina a garganta e grita ao mundo:


Amo-te; és tudo em mim!


E assim saberás;


Na escuridão jamais cairás!


E o que fica lá bem longe da escuridão;


Tem de lindo nome:


Felicidade!...


1 comentário:

Um Olhar disse...

Não sei porquê, mas simpatizei com este teu poema (porque será?)! Julgo que nunca devemos ter a porta fechada para a felicidade.
Embora eu acho que a felicidade não seja um traço, mas sim um estado ao que, por vezes, nos conseguimos aproximar... não sei se me atrevo a dizer...eu sei onde tu estás...estás nestas palavras.

GBjo

Fatima